quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Londrina: Nasce uma cidade no meio da floresta virgem

JORNAL DE LONDRINA

No início, Londrina era anunciada como terra  “prometida”

Fruto do projeto de colonização da Companhia de Terras do Norte do Paraná, cidade foi destino de colonos de 33 nacionalidades

  • Antoniele Luciano/especial para o JL
Uma terra em área privilegiada pela natureza, dotada de clima inigualável e salubre. Uma terra roxa de primeira qualidade. Assim eram qualificados os lotes de 10 alqueires para cima, comercializados em Londrina pela Companhia de Terras do Norte do Paraná, em 1931. Os materiais de divulgação da época traziam a imagem de um milho gigante em um cafezal novo, a informação sobre a existência de terrenos planos, sem montanhas, saúvas e pedreiras, com água boa, corrente e ligados à estrada de rodagem. Era o negócio de oportunidade para quem, como bem dizia um dos fôlderes criados pelos ingleses, queria "construir lar e formar em pouco tempo o seu futuro".
  • Hospital e campo de tênis da Cia de Terras do Norte do Paraná em 1934 (Crédito: Acervo Museu Histórico de Londrina)
    Hospital e campo de tênis da Cia de Terras do Norte do Paraná em 1934 (Crédito: Acervo Museu Histórico de Londrina)
  • Casa Comercial Alberto Koch, década de 1930 (Crédito: Theodor Preising / Acervo Museu Histórico de Londrina)
    Casa Comercial Alberto Koch, década de 1930 (Crédito: Theodor Preising / Acervo Museu Histórico de Londrina)
A promessa era de que o solo londrinense era apto a produzir lucro com o que fosse do ramo da agricultura. Os lotes eram vendidos para pagamento em até quatro anos, com juros de 8% ao ano. Entre os paulistas, havia a possibilidade de obter a passagem de trem gratuita, com saída de Ourinhos, até Cornélio Procópio, a fim de fazer uma visita ao antigo Patrimônio de Três Bocas, Londrina antes de sua emancipação. O trajeto até a localidade era concluído de automóvel ou jardineira.
Eram mais de 515 mil alqueires prontos para venda, recorda o jornalista e pesquisador da História de Londrina, Widson Schwartz. "Sobre a qualidade da terra, sem dúvidas, não havia mentira. Diz-se que Lord Lovat, da Companhia de Terras, veio visitar o Paraná em busca de terras para plantar algodão, mas deduz-se que o governo do Paraná já queria colonizar a região e buscava um parceiro para isso", comenta.
O processo desenvolvido no que se tornaria mais adiante a Capital Mundial do Café foi inspirado, acrescenta, no que ocorreu em Birigui, interior paulista. "Há registros de que em 1924 Lord Lovat passou por Birigui, que contava com a colonização pronta, feita pela Companhia São Paulo de Colonização e Madeira. Birigui não tinha mais terras disponíveis, mas Londrina sim. Foi então que compraram 350 mil alqueires da Companhia Marcondes, detentora das terras na época, e o restante de outros concessionários", diz.
Segundo Schwartz, até o mapa de divisão dos lotes era semelhante ao feito em Birigui. Toda essa preparação contribuiu para que a cidade não perdesse tempo no quesito desenvolvimento. A mata foi derrubada e a estrada e os terrenos abertos rapidamente para receber os compradores. Os agrimensores vieram fazer as primeiras demarcações de território em 1932.
Já na década de 30, cidade tinha energia elétrica e pavimentação
Uma série de fatos importantes marcou a história de Londrina na década de 1930. Além da fundação do município, houve a implantação de serviços de energia elétrica, água e pavimentação das ruas. Foi nomeado o primeiro prefeito, Joaquim Vicente de Castro, pelo interventor de estado Manoel Ribas.

Mandato ameaçado

Em 1936, Willy Davis era eleito como prefeito. Chegou a ter o mandato ameaçado, por conta de sua ascendência inglesa, mas conseguiu provar a cidadania brasileira. A população fez passeata para saudá-lo após seu regresso de Curitiba, onde foi resolver o assunto.
Naquele ano também foi instalada a primeira Câmara Municipal de Londrina, presidida por João Wanderley. Em 1937, tinham início as atividades da Associação Comercial de Londrina. Em 1938, Londrina tornava-se comarca do Judiciário. No ano seguinte, contava com mais de dez escolas municipais, além de particulares, como o Instituto Mãe de Deus, e grupos escolares, então administrados pelo governo do Estado.

Desenvolvimento foi muito rápido

Quando foi fundada, em 1934, Londrina já era uma cidade organizada, com sua rua principal e comércio funcionando. Os pioneiros na atividade naquela década foram David Dequêch, Alberto Koch e Frederico Schulteiss. As Casas Pernambucanas foram inauguradas em 1935. "O desenvolvimento foi muito rápido, não existe nada igual à velocidade da urbanização dessa cidade. É como se Londrina tivesse nascido como uma empresa", pontua pesquisador Widson Schwartz.
Especialista em Patrimônio Público, o arquivista Amauri Ramos da Silva, do Museu Histórico de Londrina, relata que a Companhia de Terras construiu até o primeiro hotel da cidade, o Campestre, em 1930, para receber visitantes. Se no início, o município se fazia valer dos serviços que Jataizinho, criado em 1855, oferecia, pouco tempo depois de sua formação Londrina contava com serraria, médico, farmácia, hospitalzinho, gabinete dentário, olaria e transporte, através da fundação da Viação Garcia. As viagens até Jataizinho levavam cerca de oito horas, devido às condições da estrada. "Havia ainda uma fábrica de gelo, a Polo Norte, na antiga Rua Heimtal, hoje Duque de Caxias", diz o arquivista.

33 nacionalidades na terra roxa

A primeira localidade aberta foi o Distrito de Heimtal. A região recebeu inicialmente colonos alemães. Já o Distrito de Warta recebeu poloneses. Os japoneses, em especial vindos do Oeste paulista e com experiência em fazendas cafeeiras, também estavam entre os primeiros imigrantes a adquirir lotes em Londrina.
Outros colonos europeus, como italianos e russos, vieram para a região para se afastar da pobreza ou de perseguições políticas e religiosas. Muitos mineiros e paulistas que trabalhavam como colonos e queriam ter a própria terra rumaram ainda para o município em busca de oportunidade. Ao todo, eram 33 nacionalidades na terra roxa. "As primeiras casas eram de pau a pique, ranchos de palmito", detalha Silva. Em 1934, Londrina já tinha 1.346 habitantes, conforme levantamento da Companhia de Terras.

domingo, 21 de dezembro de 2014

repórteres e redatores da Folha de Londrina década de 60

Saudosa lembrança
O cenário não podia ser outro, senão a buliçosa Redação da velha e querida Folha de Londrina – Redação que foi verdadeira escola para tantos e tantos jornalistas, naqueles bons tempos... O ano, não sei – final da década de sessenta/começo dos anos setenta. O fotógrafo também não recordo quem foi – Wagno Barra Rosa, Darci Felix, Chico Rezende?

A partir da esquerda: Estélio Feldmann, Nelson Severino, Rui Brito, Leonardo Henrique dos Santos (sentado), Walmor Macarini, Antônio Claret de Rezende, Pedro Vergara Correia, Oswaldo Militão e o “boy”, cujo nome também não consigo lembrar.Estélio Rui e Dr. Vergara já faleceram. A eles, uma prece e a admiração que ficou.Nelson está em Cuiabá (MT); Leonardo, em Goiás; Walmor e Militão continuam em Londrina; e Claret, vive e trabalha em Curitiba.A distância a quase todos separou. Pouco se vêem. Mas, a amizade perdura. E as lições da Redação continuam vivas na memória, nos sentimentos e na vida de cada um. Desses que aparecem na foto e de todos aqueles que, juntos, suaram a camisa, ao lado de João Milanez, Nilson e João Rímoli, Geraldo Ferreira e Álvaro Grotti, dentre outros, deixando suas marcas na história da Folha e da própria Londrina.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

PORQUE AMO LONDRINA

Eu amo Londrina... como amo também Rolândia e o norte do Paraná. Se tem uma pessoa bairrista esta pessoa sou eu. Aqui é um lugar de fartura, de gente trabalhadora e honesta. Quando viajo para fora do norte do Paraná logo sinto saudade da terra vermelha e das nossas paisagens repletas de soja, milho, feijão arroz e café.  Quando vou chegando, já sinto-me mais feliz ao contemplar as primeiras paisagens rurais. Mas, para comemorar os 80 anos de Londrina, vou falar porque amo Londrina. Quando pequeno meu saudoso pai levava eu, meus irmãos e minha mãe para passear uma vez por ano em Londrina. Sempre no Natal... Meu pai aproveitava para comprar com preços "mais em conta" os nossos presentes. Íamos de jipe 1951. Minha mãe, meu pai e minhas irmãs pequenas iam na frente... eu e meus 3 irmãos atrás na caçamba. Quando chegávamos na entrada da cidade meu pai  mostrava para nós uma indústria de verdade: a empresa Cacique de café solúvel... para nós era uma novidade... Rolândia nesta época só tinha um pequeno comercio, empresas de beneficiamento de café e duas serrarias. Ao entrarmos em Londrina em época de Natal ficávamos encantados com tudo: mais carros nas ruas... os luminosos...  as ruas enfeitadas com luzes piscando... muitas pessoas...  famílias inteiras andando na ruas... era o clima de natal nos anos 60... Não sabíamos para onde olhar. Tudo nos encantava... meu pai abria a porta traseira do jipe e aquilo para nós era melhor que cinema. Pena que eu não tinha filmadora na época.... Meu pai sempre estacionava o jipe ali na Av. Sergipe, perto da Rodoviária. (Já era difícil conseguir vaga naquela época). Mas também todo mundo da região ia para Londrina para passear e comprar os presentes e roupas e sapatos para as crianças. Meu pai, e 90% da população, fazia as compras no "Armarinho Paulista" localizado quase que em frente a rodoviária da Sergipe. Lá encontrávamos quase tudo o que precisávamos. Minha mãe sofria muito dentro da loja. Tinha muita gente fazendo compras. Ela tinha muito medo de perder um dos filhos. Ela carregava a minha irmã Dolores no colo e eu e meus irmão tínhamos que ficar de mãos dadas para não nos perdemos no meio daquela multidão. Acontece que quando víamos os nossos brinquedos prediletos ficávamos excitados e ai largávamos as mãos e cada um ia para um canto. Nesta hora minha mãe aos gritos chamava os seus "pequeninhos" igual faz a galinha com os seus pintinhos.. Zé Carlos... Paulo... Pedro... Marquinhos... peguem nas mãos... venham aqui... dava bronca no meu saudoso pai: - José... você também não ajuda. Cadê o Zé Carlos?... teve um dia que a mocinha do microfone me localizou pelo alto falante... estava perdido e chorando e ouvi a moça falando assim: - Atenção Zé Carlos.. sua mãe está lhe esperando aqui no Caixa... Perguntei para alguém onde era o tal Caixa que na época não sabia o que era... chegando lá minha mãe chorando me abraçou e me entregou para o meu pai com a seguinte ordem: - Segura ele Zé e vê se não o perde mais... meu pai ficou tão contente por ter me encontrado que acabou me presenteando com um revólver de brinquedo da "Estrela", com o coldre, espoletas de tiras, estrela do xerife e balas de plástico.(é por isto que sou rápido no gatilho).  Era um dos meus sonhos. Fui crescendo e o meu amor por Londrina também... chegou a época do vestibular... prestei vestibular e passei para o curso de direito na UEL em 1975. Com o fechamento do cinema em Rolândia frequentava os cinemas de Londrina ... cine Vila Rica.. Ouro Verde.. agora mais recente os cinemas do Shopping Catuai. Casei e minha segunda filha nasceu no Hospital Evangélico.  Minha filha mais velha casou e o meu genro foi contratado para lecionar do Colégio Max e depois Sants James... sempre Londrina... Meu amor por Londrina é tão grande que um dos meus vídeos de maior sucesso no YouTube é o "Sete Locomotivas acelerando em Londrina". Falando em vídeos, para homenagear para sempre a minha querida Londrina gravei alguns filmes com o nome "Amo Londrina by Farina" onde me irmano com alguns londrinenses deixando mensagens eternas do nosso amor por esta cidade e região. Recentemente produzi um vídeo com o nome "Trem dos Pioneiros de Londrina" gravado na antiga estação onde entrevistei um pioneiro de 1937. Neste dia  deixei algumas lágrimas pela emoção ao imaginar os pioneiros chegando e começando do zero uma vida nova no meio da floresta virgem. Na hora da narração a voz embargou... enxuguei a lágrima e continuei... que lugar mágico aquela estação... aquele trem Maria Fumaça. Londrina deve tudo aos pioneiros, aos ingleses e ao Trem. Sou neto, com muito orgulho, de pioneiros, por parte de pai e de mãe. Meus avós estão sepultados em Rolândia. Terminando quero deixar mais uma vez vez gravado neste texto o meu amor e gratidão por esta região mágica em que nascemos, crescemos e queremos um dia ser sepultado. ( não estou com pressa)... Se alguém das atuais e futuras gerações lê-la e servir de exemplo e incentivo ficarei imensamente feliz. Mas digo que vale a penar morar aqui... trabalhar... viver... lutar e se preciso for morrer por Londrina e pelo Norte do Paraná.  JOSÉ CARLOS FARINA ( BLOG DO FARINA )

domingo, 14 de dezembro de 2014

O NASCIMENTO DE LONDRINA - LONDRINA DEVE TUDO AOS INGLESES, AOS PIONEIROS E AO TREM

Em 1935 Londrina praticamente consistia na Estação de Trens...  o armazém geral da Cia. São Paulo / Paraná... umas poucas casas de madeira... Um pequeno comércio... Cavalos e carroças "estacionados" nas portas das lojas e bares. Quando chovia.... muito barro. Quando não chovia, muito pó.  Mas parecia uma cidade do velho oeste americano. Em tom de brincadeira falavam que o norte do Paraná era só fama.. quando não era pó, era lama. Com o barro os pioneiros fizeram tijolos e no pó.. na terra fértil plantaram café e cereais, e de povoado transformaram a cidade em metrópole, conhecida em todo o planeta. No rumo oeste apenas a mata... Cambé ainda não tinha surgido. Este trem era o elo de ligação da cidade surgindo no meio da floresta e bichos e São Paulo, a grande capital do Brasil. Chovesse ou fizesse sol o trem chegava e partia todo o dia. Trazendo sonhos... vidas... e levando as nossas riquezas... o fruto do trabalho dos heróis pioneiros. Devemos tudo aos ingleses e aos pioneiros destemidos, fortes e corajosos. A nossa gratidão eterna. Deus abençoe Londrina e o norte do Paraná. Terra de valentes... de gente trabalhadora e honrada. JOSÉ CARLOS FARINA. FOTO JOSÉ ROBERSTONES PIERETI










Fuscas volks 1958 transportados em trem

EDUARDO PINETTI


Foto família hauly de Londrina


TREM CHEGANDO EM ROLÂNDIA EM 1936 - CIDADE COMEÇANDO











quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

FOTO DE ZÉ RICHA, ALVARO DIAS E AMIGOS ANOS 60 EM LONDRINA








Felipe De Faria com Walter Rosa Aqui os amigos Hamilton Luiz Nassif e Álvaro Dias. Na foto José Richa, pai do atual governador, Waldomiro Val, Reynaldo Pucca. Do arquivo pessoal de Rosicler Val.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

VÍDEO HOMENAGEM AOS PIONEIROS NA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA MUSEU HISTÓRICO

LINK: <iframe width="560" height="315" src="//www.youtube.com/embed/_umDFEeX_-A?list=UUy_v3LN7kAKk1HfGxrQ4pJA" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>

Homenagem aos Pioneiros de Londrina ( 80 anos )

LONDRINA 80 ANOS,HOMENAGEM AOS PIONEIROS
Também no Iapar, uma bela homenagem aos pioneiros de Londrina. Homens e mulheres que com muita fé e determinação participaram da fundação e do desenvolvimento de Londrina. A eles, nosso reconhecimento e gratidão. Entre os homenageados, minha irmã Nágila, primeira criança registrada num cartório de Londrina.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Bar Brasil de Londrina: desde 1941 com a mesma família

FOLHA DE LONDRINA

'Dinâmica de uma pessoa mais nova mudou o bar'

"Acho que muita gente de idade, que não vinha há tempos, está retornando"

Gustavo Carneiro
Rhay Wesley entre os pais Lourival de Souza e Mara Tukumantel: futuros planos para o estabelecimento fundado em 1941 incluem programação com cinema, dança e teatro
O tradicional Bar Brasil, em funcionamento desde 1941, é administrado por Lourival Garcia de Souza, de 68 anos, e sua esposa, Mara Tukumantel, de 55, desde 1988. Há alguns anos, o filho do casal, Rhay Wesley, de 25, passou a ajudar na gestão do estabelecimento.

"Era muito esporádico. Comecei a ajudar mais no final de 2005, nos dias (de transmissão) de jogos de futebol. Eu ficava no caixa. Um dia, meu pai pediu para ajudar a recolher o que estava no balcão. Aí comecei como garçom. Hoje, faço os contratos, agencio os eventos, faço a programação e cuido da parte financeira do bar", explica Rhay.

Mara conta que a participação do filho na administração do Bar Brasil não foi planejada. "Ele começou a vir aos pouquinhos. No começo, ele não gostava. Na época, ainda não era proibido fumar dentro do bar, então o cheiro de cigarro era insuportável. E o Rhay nunca foi de beber, só de vez em quando. Então o bar não era a menina dos olhos dele. Mas aí ele pegou gosto para valer. ‘Vestiu a camisa’ do bar. Deu uma guinada, começou a colocar shows de música, ele quer transformar o Bar Brasil em um ponto cultural. A dinâmica de uma pessoa mais nova mudou o bar. O perfil não mudou, mas eu acho que muita gente de idade, que não vinha há tempos, está retornando. É uma volta da velha guarda do Bar Brasil", afirma.

Além das discotecagens e apresentações de chorinho e samba que têm se tornado comuns no Bar Brasil, Rhay planeja uma programação com cinema, dança e teatro para os próximos anos. Mas ele ainda não sabe se vai tocar o bar adiante: formado em Direito, quer fazer carreira na área jurídica.

"Pretendo trabalhar com algo mais estável e que me proporcione mais tempo livre. O trabalho no bar, além de desgastante, tem muita instabilidade. Tem épocas em que está bom, depois o movimento cai", justifica. (F.G.)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Crime contra a História de Londrina : azulejos do Franz Hotel

UM DESRESPEITO PELA MEMÓRIA DE LONDRINA/PR  AZULEJOS DO ANTIGO FRANZ HOTEL, estão sendo PINTADOS... É um bem PARTICULAR e são LOCADOS os espaços... rende-lhe PROVENTOS... tá TUDO BEM né?  DIGO MAIS. .. pela localização e super valorizado. ..NÃO AGUENTARÁ muito tempo... pedimos socorro às autoridades da área....
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

FOTO LONDRINA DÉCADA DE 50 COLORIDA POR COMPUTADOR


sábado, 29 de novembro de 2014

FOTOS DOS 80 ANOS DO LONDRINA - NORTE DO PARANÁ


Especial Londrina 80 anos - FOLHA DE LONDRINA



1ª Década (1934 a 1943)
'De inspetoria de quarteirão saltou logo para município'

A chegada da expedição inglesa, em agosto de 1929, é o marco oficial da fundação de Londrina, a 'fronteira urbana cujo poder de atração não cessaria'

2ª Década (1944 - 1953)

'Do latifúndio para a nova 'Capital do Café'
Londrina começa em 1944 uma fase de grande euforia, pela renda do café e a visão dos prefeitos da necessidade de um novo planejamento urbano e mais serviços essenciais



3ª Década (1954 a 1963)
Ascensão política e luta pelos cursos superiores
Londrina conquista mais vagas no cenário político estadual e federal; na educação primeiras faculdades são aprovadas



4ª Década (1964 a 1973)

A terceira cidade do Sul busca alternativa ao café
"Manter nossos cafezais em zonas logicamente recomendáveis" e "paralelamente diversificar", sugere a Rural. "Urge iniciar a implantação bem planejada de indústrias", visão da ACL



5ª Década (1974 a 1983)

A maior integração urbana e até um distrito industrial

Alto conceito da cidade no BNH permitiu sucessivos empréstimos e programas inovadores. E os conjuntos habitacionais chegaram à região norte

6ª Década (1984 a 1993)

Superando crises e erguendo prédios
Cinquentenário combina diversificação agrícola com a "largada" das construtoras, que chegam a 75 mil m² mensais
Reportagem Local

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Londrina e os pés-vermelhos ( homenagem aos pioneiros )

FOLHA DE LONDRINA

WALMOR MACARINI


A lama vermelha e grudenta prendia à terra os que chegavam, impedindo que pudessem voltar. Mesmo que alguém quisesse libertar-se dela não mais conseguia. A terra tingiu-lhes de vermelho os pés, porque era a marca para que ninguém se dispersasse. Começava aí a nascer em Londrina a "República dos pés-vermelhos". Uma civilização predestinada a aqui aportar, derrubar a mata até onde necessário e plantar, porque era fértil a terra, e construir a cidade. Os machados expeliam o aroma das árvores derrubadas e as onças espreitavam pelos cantos da mata, em prudente distância.

Aquele troar de machados e foices ecoou floresta afora, atravessou as fronteiras do Estado e foi ouvido em São Paulo, nas Minas Gerais, na Europa e até no Japão. E desses pontos começaram a chegar grandes levas de pessoas que vinham ver que barulho era aquele, com araras grasnando e onças correndo. E aqueles mais que iam chegando pegaram também em machados, foices e facões, e então o barulho foi ainda mais ensurdecedor. Mais gente ouviu e mais gente veio. De todos os cantos da mata foram apontando cabeças.

Já havia duas mil, e foi então que um gaiato fincou à entrada da aldeia aquela placa: "Iguais a você já tem aqui dois mil. Volte". Quem não sabia ler foi entrando, sem entender, e quem leu e entendeu deu de ombros. Quando se viu, os que haviam chegado já somavam dois mil vezes dois mil. Foi-lhes revelado que aqui dinheiro dava em árvores, e que essa árvore era verde e os frutos vermelhos como o solo. E não era mentira o que haviam propagandeado, porque as árvores ocuparam o lugar das perobas e aqueles grãos esparramaram-se pelas tulhas e encheram os armazéns.

A esse povoado deram o nome de Londrina, gentílico de Londres, porque foi de lá que vieram os loteadores. Yes! A nação dos pés-vermelhos começava a consolidar o seu império. Os que chegaram primeiro abriram as picadas na mata, espantaram as onças e deixaram o lugar muito bom de se morar. Nesses 80 anos da agora metrópole, a nossa gratidão a esses intrépidos desbravadores. Eles pisaram este solo e o fizeram sagrado.

WALMOR MACARINI é jornalista em Londrina.

sábado, 8 de novembro de 2014

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

JOSÉ MAKIOLKE ZEZÃO LOCUTOR E APRESENTADOR DE TV E RÁDIO - LONDRINA - PR. DÉCADA DE 70


José Makiolke o Zezão. Apresentador da TV Coroados nos anos 70. Clube da Notícia, Jornal das Sete e Espera Jornal Nacional. Fonte blog do Zezão.













INAUGURAÇÃO DA TV TROPICAL

 

FOTO DO LAGO IGAPÓ LONDRINA EM 1959

09.12.1984 - Palco Flutuante no Lago Igapó - Festividades pelo Cinquentenário de Londrina. Queima extraordinária de fogos, a exemplo do Jubileu de Prata, comemorado em 1959. (eu estava lá em 84 - kkk))

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Rei Momo DINHO - Geraldo Julio. Carnaval dE Londrina 1968

1968 - Rei Momo DINHO - Geraldo Julio. Carnaval do Londrina Country Club

TIA LUCY RIBAS E JOSÉ MAKIOLKE - ÍDOLOS DOS ANOS 60 a 90 NORTE DO PARANÁ


Mais TV Coroados. Agora a Tia Lucy Ribas. A nossa Xuxa dos anos 60 e 70. Fotos do arquivo do Zezão.  Arquivo do Otacílio, que era câmera.

SITE HISTÓRIA DE LONDRINA É UMA MEMÓRIA VIVA DA CIDADE: PARTICIPE

CLIQUE http://historiadelondrina.blogspot.com.br/






FOTO DA CATEDRAL DE LONDRINA ANTIGA DÉCADA DE 50 ANTIGA E LINDA


LONDRINA 1950 FOTO DA PRAÇA CENTRAL

PRAÇA WILLIE DAVIDS - DEC 50 - Rua Maranhão x Rua Minas Gerais - foto: museu Histórico de Londrina